valor das criptomoedas em real - coinrc.com

From Wikinews, the free news source you can write!
Jump to navigation Jump to search

2024-04-14

Popular crypto exchanges(2023 Update) 2024-04-14
Image: coinrc.com

CriptomoedasO preço de Solana dispara conforme a pré-venda do Memeinator entra nos estágios finais O mercado de criptomoedas sofreu uma correção significativa na última semana. Desse modo, o preço do Bitcoin (BTC) caindo mais de 15% antes de se recuperar após a reunião do Comitê Federal de Mercado Aberto (FOMC) na quarta-feira. Contudo, para o JPMorgan, a venda pode não ter terminado, pois a posição ainda parece sobrecomprada, disse o banco em um relatório de pesquisa. valor das criptomoedas em realConfirmação do lançamento do USDM na Cardano. Fonte: @MehenOfficialO sócio fundador da Mehen, Matthew Plomin, disse que o caminho para o lançamento da stablecoin na Cardano não foi fácil, com atrasos causados pelos problemas que assolaram o sistema bancário dos EUA em 2023.  Ampla gama de criptomoedas. Certifique-se de que a bolsa oferece suporte às criptomoedas nas quais você está interessado. Verifique a disponibilidade de seus ativos preferidos e os pares de negociação oferecidos, como BTC/USD, que indica a capacidade de negociar Bitcoin por dólares americanos.

Exchange Rankings Crypto
Image: coinrc.com

Além de oferecer informações para facilitar o preenchimento da declaração do Imposto de Renda 2024, o intuito é esclarecer o máximo de dúvidas possíveis durante a transmissão. O chat permanecerá aberto para envio das questões.

Desde 2017, conseguimos observar a conexão dos cryptoassets com a malha financeira e a possibilidade de tokenizar ativos e produtos financeiros agora é uma possibilidade para as empresas.

Vale a pena comprar Polygon MATIC?

As fábricas da China estão produzindo mais aço, automóveis e painéis solares do que sua economia em desaceleração pode utilizar, forçando uma enxurrada de exportações baratas para os mercados estrangeiros.

O excesso de oferta de produtos chineses em indústrias-chave está alimentando tensões entre o maior fabricante do mundo e seus principais parceiros comerciais, incluindo os Estados Unidos e a União Europeia (UE). Seu excedente comercial global de bens disparou, se aproximando agora de US$ 1 trilhão.

Os EUA e a UE estão preocupados com o potencial “dumping” por parte da China, ou seja, a exportação de mercadorias a preços artificialmente baixos, tendo em foco, por exemplo, os veículos elétricos.

“A Europa não pode simplesmente aceitar que indústrias estrategicamente viáveis que constituem a base industrial europeia estão a ser excluídas do mercado”, disse Jens Eskelund, presidente da Câmara de Comércio da União Europeia na China, aos jornalistas no início deste mês.

Leia Mais:

Com salto de 80% no lucro em 2023, BYD ultrapassa Tesla como maior vendedora de carros elétricos Pobreza na Itália aumenta e atinge novo recorde em uma década, mesmo com recuperação econômica Apple é processada em ação histórica sobre monopólio do mercado de celulares

Mas a China precisa de aumentar as exportações como medida fundamental para reviver sua economia, que enfrenta uma crise imobiliária prolongada, gastos familiares fracos e uma população em declínio, entre outros problemas.

Pequim está agora focando nas exportações de maior valor, depois de investir bilhões em manufatura avançada.

Mas a medida é inoportuna, pois acontece em um contexto de crescimento econômico mais lento a nível mundial e de uma mudança por parte dos consumidores ocidentais quanto aos gastos em bens para viagens e lazer em relação à época da pandemia.

Além disso, há também um esforço da Europa e dos Estados Unidos para reduzir sua dependência da China e impulsionar a produção local, criando empregos. Pensando nisso, foram lançadas a Lei da Indústria Net-Zero e a Lei de Redução da Inflação, respectivamente.

“É difícil para mim imaginar que a Europa iria simplesmente ficar sentada e testemunhar silenciosamente a [sua própria] desindustrialização acelerada devido à externalização da baixa procura interna na China”, avaliou Eskelund.

De acordo com o Gabinete Nacional de Estatísticas da China, os preços das exportações chinesas estão no seu nível mais baixo desde 2009, quando o Ocidente estava se recuperando da crise financeira global.

E o excedente da China no comércio de bens mais do que duplicou desde a pandemia, segundo Brad W. Setser, membro sênior do Conselho de Relações Exteriores.

Em 2019, o país exportou cerca de US$ 400 bilhões a mais em bens do que importou, um excedente que aumentou para US$ 900 bilhões no ano passado.

Exportando de roupas a carros

As exportações da China de bens de baixo valor aumentaram depois que o país aderiu à Organização Mundial do Comércio (OMC), em 2001. Sua economia e o sua importância como fabricante também cresceram substancialmente desde então.

Tendo conquistado a produção de vestuário e de eletrônica de consumo, a China passou a dominar os veículos elétricos, os painéis solares e as turbinas eólicas.

Essas indústrias são consideradas estrategicamente importantes na Europa e nos Estados Unidos, à medida que procuram tornar as suas economias mais verdes e reduzir a poluição que provoca o aquecimento do planeta.

Os produtores europeus de painéis solares foram praticamente eliminados pela concorrência chinesa, e o mesmo destino ameaça a sua indústria eólica.

Fábrica em Nantong, China / 28/06/2019. REUTERS/Stringer/File Photo

“As empresas europeias podem ficar para trás [do fabricante chinês] Goldwind, que já oferece as suas turbinas bem abaixo do preço dos fabricantes [europeus] estabelecidos”, afirmou Markus W. Voigt, CEO do Grupo Aream, um gestor de ativos especializado em energias renováveis em um comunicado neste mês.

Nos últimos três meses de 2023, a BYD, montadora de veículos da China, ultrapassou a Tesla como líder em vendas de veículos elétricos em todo o mundo, coroando um aumento extraordinário para a fabricante de automóveis apoiada por Warren Buffett.

Comparados com a Tesla, os carros da BYD são mais acessíveis, o que ajudou a atrair uma gama mais ampla de compradores. Seu modelo básico é vendido na China pelo equivalente a pouco menos de US$ 10 mil. O carro mais barato da Tesla, um Modelo 3, custa quase US$ 39 mil.

Junto ao “aumento das exportações de veículos elétricos”, a China fabrica 80% dos painéis solares do mundo, assim como mais turbinas eólicas do que qualquer outro país, escreveu Setser em uma nota recente.

“A política chinesa continua enfatizando a atualização da capacidade da China na manufatura avançada como um importante motor do crescimento futuro”, acrescentou.

No início deste mês, o primeiro-ministro Li Qiang, o número dois de Xi Jinping, destacou ao Parlamento da China que o governo se concentraria em exportar mais do “novo trio” de produtos do país, que são veículos elétricos, baterias de lítio e painéis solares.

Eskelund, da Câmara de Comércio da União Europeia, afirma que a organização está observando “excesso de capacidade generalizada” na China, seja na produção de produtos químicos, metais ou veículos elétricos.

“Ainda não vimos toda essa capacidade em jogo. Isso é algo que chegará aos mercados nos próximos anos”, ponderou.

Tensões comerciais aumentam

Pequim está ciente do problema de excesso de capacidade da China, reconhecendo isso como um problema pela primeira vez em quase uma década. Isso aconteceu durante uma reunião anual de funcionários de alta patente em dezembro.

Mas na véspera do Fórum de Desenvolvimento da China desta semana, vários meios de comunicação estatais chineses publicaram editoriais desafiando a ideia de que o excesso de oferta da China representa uma ameaça para outras economias.

“O que a China exporta é uma capacidade de produção avançada que satisfaz as necessidades dos clientes estrangeiros”, escreveu a agência de notícias Xinhua.

Os EUA e a União Europeia têm, no entanto, uma visão diferente. O presidente americano, Joe Biden, prometeu recentemente investigar se as importações de veículos chineses representam uma ameaça à segurança nacional.

“Uma indústria automobilística dinâmica é vital para a economia dos EUA”, ressaltou em comunicado no mês passado.

“A China está determinada a dominar o futuro do mercado automóvel, inclusive através da utilização de práticas injustas. As políticas da China poderão inundar o nosso mercado com os seus veículos, colocando riscos para a nossa segurança nacional”, avaliou.

A UE, entretanto, está analisando o apoio estatal da China aos fabricantes de veículos elétricos, que poderia estar permitindo que estas empresas mantenham os preços extremamente baixos, criando uma concorrência desleal com os rivais europeus.

As autoridades europeias também estão considerando se as medidas existentes para proteger a indústria siderúrgica da UE devem ser aumentadas ou ajustadas, bem como investigar alegações de dumping de biodiesel por parte da China, após denúncia de produtores europeus.

O biodiesel é uma alternativa renovável aos combustíveis fósseis utilizados no setor dos transportes do bloco europeu.

A Comissão Europeia, o braço executivo da UE, disse em dezembro que poderia impor tarifas sobre as importações chinesas de biodiesel se o dumping fosse confirmado.

A China, por sua vez, está reagindo. Afirmou esta semana que apresentou uma queixa à OMC para contestar “políticas discriminatórias de subsídios” para veículos elétricos pela Lei de Redução da Inflação de Joe Biden.

No início deste ano, Pequim abriu uma investigação antidumping sobre o conhaque importado da União Europeia.

Se há uma fresta de esperança quanto à influência da China no comércio global, é que isso pode ajudar a manter os preços dos bens e a inflação geral sob controle nas economias desenvolvidas neste ano, de acordo com Jennifer McKeown, economista-chefe global da Capital Economics.

“Mas talvez o mais importante é que o persistente excesso de oferta e os baixos preços dos produtos chineses aumentarão as tensões geopolíticas e manterão viva a ameaça de tarifas e contra-tarifas”, escreveu.

“E isso poderá, em última análise, aumentar a inflação nos próximos anos”, advertiu.

*Shawn Deng contribuiu para esta reportagem

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Sindicato acionará Justiça contra portaria do governo que reduz prazo de certificados de exportações A plataforma de análise de criptomoedas, IntoTheBlock, observou a intensa atividade das baleias Dogecoin no último mês, apresentando um crescimento impressionante acima de 600%. “As baleias Dogecoin estão ativas! O número de transações $DOGE superiores a US$ 1 milhão aumentou mais de 600% nos últimos 30 dias!”.

Data secreta de distribuição

InQubeta alcançou um marco ao levantar US$12,5 milhões em sua pré-venda em curso nesta semana. Dessa forma, ele se posiciona como uma das pré-vendas de criptomoedas mais bem-sucedidas em termos de fundos arrecadados.

O Que Considerar Para Calcular Lucro De Mineração De Bitcoin?Quanto valerá o Raptoreum daqui a 5 anos? Bitcoin e as moedas mais interessantes para investimento

Mais importante ainda, os usuários do $BITBOT poderão compartilhar a receita gerada pelo ecossistema. A pré-venda do token BitBot será concluída em março, seguida pelo lançamento da plataforma no segundo trimestre. Este período também envolverá integrações DEX e CEX seguidas de inovação contínua. Você pode comprar o token aqui. O ecossistema Pullix introduz um novo conceito de “Trade-to-Earn”, capacitando os detentores de tokens $PLX a participarem na partilha diária de receitas. Através de um mecanismo único, uma parte das receitas diárias geradas pela Pullix é usada para comprar e queimar tokens $PLX no mercado aberto, reduzindo o fornecimento de tokens e potencialmente gerando valor. mercado livre coinQuando os dados são compartilhados, também permite um aumento de preço em Komodo e uma despesa média de previsão de preço. O RSI é uma escala confiável para avaliar projeções criadas investigando os efeitos dos fatores nas previsões de preços. Altcoins sobem até 47% em meio à expectativa com airdrop e lançamento do Starknet e lateralização do Bitcoin


Sister links

Sources

Bookmark-new.svg